Como a série “The Crown” pode contribuir para a nossa discussão sobre educação?

No episódio (muito bem) intitulado “Scientia Potentia Est”, da primeira temporada de The Crown*, série disponível no Netflix, a jovem rainha Elizabeth se dá conta de que talvez não esteja preparada como deveria para a função que precisa exercer. Educada para ser uma “princesa”, Lilibet, para os íntimos, não teve acesso à mesma escola das crianças e jovens “comuns”.

Com os soviéticos testando a bomba de hidrogênio e contando com um Primeiro-Ministro (Winston Churchill) e um Secretário de Assuntos Estrangeiros (Anthony Eden, que viria a ser o sucessor de Churchill) doentes, a rainha se vê às voltas com questões que não lhe acendem nenhuma fagulha na mente, uma vez que em sua educação formal fora privada de estudar matemática, física, filosofia, literatura, história e afins.

Preocupada com sua (falta de) educação, Elizabeth II – que viu sua figura se popularizar instantaneamente após a transmissão televisionada de sua coroação, num episódio incomum para os idos anos 50 e que mostra que ela viveu rupturas desde o início de seu reinado – pede que lhe seja arranjado um tutor. Ao professor, dá a missão de lhe ajudar a recuperar o que considera “tempo perdido”. Quer ser preparada para as questões e situações que tanto se ligam aos fatos históricos que ela se absteve de conhecer durante os anos em que deveria ter ouvido sobre isso nos bancos da escola.

Impossível não associar a angústia da rainha às questões atuais que pautam os debates sobre educação no mundo – ao menos para quem se vê debruçada sobre o assunto, como é o meu caso. Para que estamos educando as nossas crianças? Que preparo a escola formal é atualmente capaz de dar a elas, num mundo que caminha para a total digitalização, mas também carente de tantas coisas que um dia foram abundantes? Estamos preparando os jovens para o mundo em que eles vão viver, e que mal podemos prever como será? E nós, que vivemos hoje, fomos preparados para o que viria agora? E para educar os nossos jovens?

Por outro lado, a rainha acaba descobrindo que sua educação veio a lhe ser, sim, muito útil. Falha e insuficiente, talvez; inútil, não. Lilibet foi apresentada à Constituição muito jovem, e se aprofundou nos estudos de cada linha do documento – conhecimento que lhe veio a ser indubitavelmente útil, por exemplo, diante da necessidade de ser dura com o Primeiro-Ministro Churchill e deixar claro que ele nunca deveria ter lhe escondido a verdade sobre sua saúde; afinal, assim ele impediu que a rainha cumprisse com sua obrigação de garantir a atuação do (bom e saudável) governo.

E o que a constatação da rainha Elizabeth quanto ao valor de seus conhecimentos sobre a Constituição, ou a ausência de conhecimentos sobre guerras, conflitos, vitórias, fórmulas, filósofos e teorias tem a nos dizer? Talvez signifique que uma boa proposta, nesta turbulenta fase de transição em que vivemos, seja o equilíbrio entre o que se ensina hoje na escola, o que precisa ser ensinado e a forma de ensinar. Rever a forma de ensinar matérias, a conexão entre os assuntos, entre o passado e o presente; levar os alunos a perceber a utilidade daqueles conhecimentos.

Parece um bom caminho o da descentralização da sala de aula – que é, na verdade, uma tendência natural, não o resultado de uma decisão. Esse processo tem levado o o aluno a pensar mais, assumindo menos verdades como absolutas, questionando mais. O estudante precisa ser incentivado a pesquisar e a tirar as coisas a limpo por si mesmo, estímulo que deve partir de professores – cujo papel está mudando sensivelmente. É necessário ensinar a aprender, para que se aprenda a aprender, mais e mais, continuamente. Aprender, afinal, está e estará cada vez mais na pauta urgente de todos nós.

A forma, esta também precisa ser repensada, pois é sempre a melhor companheira do conteúdo, que, como dizemos, é o “rei”. Forma e conteúdo criam uma equação capaz de resultados surpreendentes. É o que sempre defendo quando explico os princípios da arquitetura da informação a quem se interessa em saber mais sobre os assuntos com os quais eu lido em meu cotidiano de trabalho. O que seria do conteúdo digital sem a arquitetura de informação?

Não há tempo para aprofundar esse tema aqui, o texto já está extenso demais. E o relógio faz tic-tac. Aliás, no episódio, a rainha tem alguns dias para entender – sem a ajuda do Google! – o básico do aparato militar até que se dê seu encontro com o então presidente americano Eisenhower. Para Lilibet, o futuro chegou sem pedir licença e mudou a ordem do dia, ou da lição. Para nós, não é diferente.

*Comecei a assistir a série incentivada pelo excelente artigo da jornalista Natalia Soares, publicado no LinkedIn e intitulado “O que a rainha da Inglaterra pode nos ensinar sobre trabalho”. Trabalhando com educação, não pude deixar de fazer links com os assuntos que povoam minha mente, e este artigo me surgiu à cabeça quase que completo ao assistir ao sétimo episódio. Agradeço à Natalia por ter me chamado a atenção para a série e por ter publicado o artigo, afinal, o meu não existiria sem o dela!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *