Um robô para apoiar crianças autistas

O autismo afeta a forma como uma pessoa se comunica, compreende e se relaciona com outras. Pessoas com autismo frequentemente têm dificuldade de usar e entender linguagem não verbal. Com isso em mente, surgiu o projeto DE-ENIGMA, que foca em desenvolver as capacidades de reconhecer e de expressar emoções em crianças com autismo.

(Mais em http://de-enigma.eu/)

O neurocientista António Damásio defende que sentimentos e emoções são diferentes; segundo o pesquisador, as emoções são externas, são aquilo que se lê nas outras pessoas, enquanto os sentimentos são internos. Não há, portanto, consciência sem sentimentos, nem sentimentos sem consciência. E um robô, então, poderia simular emoções, mas nunca teria sentimentos:

 

 

Conheça o Pint of Science

O mundo da ciência é fascinante e cheio de mistérios. Mas, ao contrário do que muita gente pensa, esse não é (ou não deveria ser) um universo exclusivo de cientistas, laboratórios e pesquisas acadêmicas. A função principal da ciência é contribuir para que a vida de todo mundo seja melhor. Então, se a ciência interessa a todos, ela deve ser acessível a todos…

É claro que muitas vezes é difícil entender de forma completa o trabalho acadêmico de determinados pesquisadores, o que é perfeitamente natural quando não se tem domínio de determinada área – e, claro, não se pode dominar todas as áreas. No entanto, existem formas bastante interessantes de trabalhar para tornar a ciência mais acessível a todas as pessoas, independente de suas trajetórias pessoais e profissionais. Eu tenho me interessado bastante por essas iniciativas, especialmente depois que ingressei no mestrado e comecei a viver intensamente o mundo acadêmico.

Foi então que me deparei com o festival Pint of Science, que começa esta segunda, dia 14 de maio, e vai até quarta, dia 16. Eu Não conhecia, mas o projeto já está em sua terceira edição no Brasil! Debates informais em torno da ciência, acompanhados de cerveja ou que cada um quiser beber, acontecerão em  vários lugares, em 56 cidades do país. A programação pode ser vista aqui. Mas por que essa sugestão de beber cerveja enquanto se conversa sobre ciência? Bem, quem já foi a um pub, mesmo no Brasil, sabe que pint é um copo que tem uma certa medida, no qual frequentemente são servidas bebidas alcoólicas e, particularmente, cerveja.

Imagem do site do Pint of Science Brasil

Origem do Pint of Science

O projeto Pint of Science começou com dois pesquisadores da Imperial College, de Londres (universidade na qual, coincidentemente, fiz um curso em 2008, que foi incrível; fiquei feliz quando soube que a ideia surgiu lá!). Segundo o site do projeto, em 2012 os pesquisadores Michael Motskin e Praveen Paul, da Imperial, organizaram um evento chamado Encontro com Pesquisadores, no qual pessoas com Alzheimer, Parkinson, doenças neuromusculares e esclerose múltipla foram convidadas a conhecer os laboratórios dos cientistas e o tipo de pesquisa que eles faziam. “A experiência foi tão inspiradora que a dupla decidiu propor um evento em que os pesquisadores pudessem sair das universidades e institutos de pesquisa para conversar diretamente com as pessoas e assim, em maio de 2013, surgiu o Pint of Science”, conta o site.

Para saber mais e checar a programação na sua cidade, acesse http://pintofscience.com.br

Vejo vocês lá!

Imagem do post: NASA @ Unsplash

 

 

Neurociência X Neurologia: o que as difere?

Qual é a diferença entre o trabalho de um neurocientista e o de um neurologista? O que cada um faz?

Na verdade, são atividades com diferenças bastante significativas, que se complementam na busca pela compreensão do cérebro humano. Ambas estão em alta. Fiz, então, este post para contribuir com a compreensão de cada uma delas.

A neurociência envolve o estudo científico dos mecanismos do sistema nervoso central, como sua estrutura, funções, sua genética e fisiologia, assim como a maneira como isso pode ser aplicado para a compreensão de distúrbios no sistema nervoso. Os neurocientistas, portanto, são pesquisadores, que conduzem experiências em laboratório.

Embora a neurociência tenha sido sinônimo da neurobiologia por anos, cada vez mais essa vertente da pesquisa tem sido vista como uma área interdisciplinar, dando contribuições à educação, à física, à linguística, à psicologia e à filosofia, entre muitas outras áreas do conhecimento. Para unir pesquisadores do sistema nervoso, há organizações como a Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento e a Sociedade Portuguesa de Neurociências.

Já a neurologia é uma área da medicina especializada em doenças relativas ao sistema nervoso, que envolvem o mal de Alzheimer, por exemplo, passando por distúrbios de personalidade, doenças vasculares, demências, dores de cabeça, convulsões, epilepsia etc. A neurologia envolve o diagnóstico e o tratamento das condições dos sistemas central, periférico e autônomo.

Um neurologista é necessariamente alguém que estudou medicina, enquanto um neurocientista é geralmente um doutor em neurociência, podendo ou não ter obtido um grau em medicina – neurologia. Há ainda os neurocirurgiões, que são cirurgiões especializados em neurologia.

Com informações de: https://www.news-medical.net/health/What-is-the-Difference-Between-Neurology-and-Neuroscience.aspx

Imagem do post: Daniel Hjalmarsson @ Unsplash