A atitude filosófica, o jornalismo e o querer-saber

Como fica claro na área do Perfil do meu site, a minha graduação foi em jornalismo. Logo cedo na carreira, depois de dois anos de formada, me interessei pela educação enquanto área de pesquisa. Fiquei uns onze anos trabalhando em comunicação digital, educação a distância e tecnologias educacionais – projetos que me deram bastante experiência mas também me despertaram muitas questões – e em 2016 decidi que queria ir fundo nos estudos da educação.

Como sempre quis construir uma carreira acadêmica, decidi que o flerte (que durava desde quando me formei no bacharelado) deveria virar namoro; fiz a seleção do mestrado, passei e comecei a estudar as tecnologias digitais sob a perspectiva da Filosofia da Educação. Aí casei com a pesquisa: no doutorado, sigo na Filosofia da Educação fazendo uma pesquisa que tem como objetivo investigar a aprendizagem a partir de um contraste com machine learning. No meu trabalho, me utilizo de uma literatura e de uma série de conceitos situados em áreas variadas: ciência cognitiva, neurociência, filosofia, inteligência artificial, biologia, psicologia e outras.

A minha pesquisa é multidisciplinar como eu 😉 Coisa de gente curiosa mesmo.

Bem, mas este post se chama atitude filosófica e é sobre isso que quero falar aqui.

A atitude filosófica talvez seja um dos pontos mais importantes de conexão entre as duas esferas profissionais que tenho na vida: o jornalismo e a filosofia. Pois desde quando quis fazer jornalismo tomei essa decisão porque gostava de escrever e de ler, mas também porque me considerava questionadora, crítica – e por gostar de pesquisar. Sempre acho que todo assunto pode ser investigado e olhado sob outros ângulos; acredito que tudo é um recorte de algo mais vasto; gosto de pensar sobre os porquês das coisas; gosto de ouvir as histórias das pessoas (e de contar as minhas, mas aqui isso não vem tanto ao caso!).

Percebo, inclusive, que muitos jornalistas não têm (ou perderam) essa curiosidade, vontade de ir atrás das coisas, esse encantamento pela apuração. Admiro os jornalistas curiosos que se munem dessa vontade de saber para ir atrás das histórias, tentando contá-las da forma mais consciente possível.

Consciente acho que é uma boa palavra, porque a verdade sempre tem muitos elementos, aspectos e pontos de vista, e o jornalismo precisa dar espaço para eles, mas também deve respeitar a ciência e trabalhar para que as verdades científicas ganhem espaço. Também deve ter o bom senso de evitar dar espaço para aquilo que não ajuda uma sociedade a crescer e se desenvolver. Jornalismo, afinal, também é construção de uma sociedade melhor, mais aberta, democrática e plural; e eu defendo que isso não é negociável! Mas, enfim, o ponto aqui é: a atividade jornalística exige curiosidade, querer investigar, querer saber. Estar aberto ao que pode vir a encontrar.

A filosofia, por sua vez, também tem melhor aderência aos seres curiosos. A chamada “cabeça fechada” e a filosofia não se encaixam. Com a filosofia, a gente sempre pode questionar, sempre pode discutir as premissas. Não é um questionamento no vazio, sem eira nem beira; mas uma investigação que caminha lado a lado com a empiria, com a pesquisa prática. A filosofia e a ciência também caminham juntas, portanto. Ou, ao menos, a filosofia que tem me interessado é essa.

Debates epistemológicos vazios não me atraem, porque a minha pesquisa é filosófica mas também é fazer-ciência (assim com hífen que acho que encaixa bem com o que quero dizer). O que os pesquisadores que estou estudando fazem acaba levando a olharmos um pouco por baixo do tapete às vezes, e dizer: mas você viu que este tapete está sedimentado sobre estes tacos aqui, e estes tacos estão ruindo? Será que não é melhor trocar os tacos antes de continuar a caminhar? Se não trocar, a poeira vai se acumular entre o tapete e o chão… o chão vai ruir… e só vai restar o tapete lá em cima, que depois de um tempo não vai aguentar também.

Com isso, quero dizer que a gente precisa olhar para os pilares que sustentam as pesquisas empíricas, porque, veja: se determinamos que certas premissas são verdadeiras e seguimos fazendo pesquisas a partir delas, o que temos? Pesquisas que não conseguem se desvencilhar dessas premissas, que são os seus sustentáculos.

Quase nunca precisamos jogar tudo fora e recomeçar, mas quase sempre podemos rever parte de nossas convicções, e essa atitude de abertura, essa postura do querer-saber, é filosófica – e pode ser também jornalística, pode vir de um educador, de um psicólogo, um economista, um matemático, um biólogo, enfim, todos podem adotar essa atitude filosófica.

Portanto, não há nada assim de tão estranho em querer filosofar, não se trata de “viajar”, nem de complicar as coisas (bom, às vezes pode complicar, ou ao menos complexificar)… trata-se de levantar o tapete, e isso pode às vezes fazer a gente espirrar ou tossir, mas vale a pena. Afinal, em alguns casos a outra opção é a estrutura ruir!

Então, para começar a filosofar, é preciso ter interesse, curiosidade e ter olhar crítico; observar; topar uma aventura em que muitas variáveis irão se apresentar. Topar o diálogo, topar assumir que quanto mais sabemos, menos parece que sabemos.

Mas não há apenas uma porta de entrada para a filosofia. Começar pelos gregos pode ser bom quando se quer aprender história da filosofia, mas para aprender a ter uma atitude filosófica o exercício é o de saber ler e interpretar, flexibilizar, saber ouvir, se interessar por mais coisas do que cabem no seu “quadrado”. Aliás, aproveitar para “deixar de ser quadrado” também pode ser bom – quando a gente começa a se abrir mais, ouvir mais, a gente acaba fazendo isso naturalmente…

Para quem está se perguntando por que usei a imagem do filme “O lado bom da vida”, ou “Silver Linings Playbook”, no original…

… Bem, este post teve como inspiração uma aula de Filosofia da Educação ministrada pelo Professor Dr. Carlos Reis, da Universidade de Coimbra. Com muitos alunos da Psicologia (na UC Psicologia e Ciências da Educação estão sob o mesmo departamento), o professor levou a turma a pensar sobre atitude filosófica a partir do filme. Se não viu, veja com esse olhar. Vale a pena!

Como ler (e entender!) textos filosóficos

Começar a ler filosofia não é fácil e pode desanimar muita gente já na primeira tentativa. O motivo disso pode ser a pouca familiaridade do leitor com esse tipo de texto, pouca bagagem anterior em filosofia – o que faz com que não entenda certos conceitos e termos, desestimulando já na largada –, medo de não estar entendendo nada ou até uma vontade excessiva de entender tudo de uma vez só, que, definitivamente, não costuma rolar com textos filosóficos (ou acadêmicos em geral…).

Foto: Seven Shooter @ Unsplash

Este post é para apresentar alguns passos simples que, se seguidos, podem ajudar na leitura e apreensão das ideias presentes em textos filosóficos. Serve, porém, para quem precisa ler textos em geral, especialmente de teor acadêmico/científico. As orientações são baseadas em dois livros do mineiro Antônio Joaquim Severino, que referencio ao final do post. Severino desenvolveu uma metodologia para a leitura de textos filosóficos.

Aqui também me baseio na minha própria experiência com a leitura de textos de filosofia e nas aulas do professor Ralph Bannell, meu orientador de doutorado, com quem fiz estágio à docência em filosofia da educação. Ressalto que faço algumas (poucas) adaptações à metodologia de Severino, e indico a leitura integral dos livros dele a quem tem interesse no assunto.

ANTES DE COMEÇAR – Delimitação da unidade de leitura. Você precisa escolher o que vai ler e separar a sua leitura em unidades. Um capítulo? Um artigo/ensaio filosófico? Depois de escolher, não é demais dar uma pesquisada no autor, período em que escreveu, se está vivo ainda; dar uma olhada na bibliografia dele e na biografia etc. Lembrando que o autor escreve no contexto de sua época, de sua vida, de sua proposta de trabalho, e quanto mais der para saber sobre isso previamente, mais isso pode ajudar na compreensão dos textos dele.

PASSO 1 – Análise textual

Severino indica que, após a escolha do que será lido, é preciso fazer o que ele chama de análise textual. Ele une este passo ao passo seguinte, a esquematização, mas eu cada vez mais tenho considerado a esquematização um passo (e um tópico) importante demais para ser unido à análise temática, então aqui proponho que essas fases sejam vistas como etapas separadas.

A etapa da análise textual significa fazer uma primeira abordagem do texto, ainda não tão aprofundada. A ideia, neste primeiro momento de leitura, não é esgotar a compreensão de todo o texto, mas que o leitor tenha contato com a unidade de leitura escolhida; a ideia é que obtenha uma visão panorâmica, como Severino fala; nesse momento, é possível observar o estilo do autor, o método que ele usa, isto é, a forma como escreve e organiza suas ideias e pensamentos. Ainda neste momento, como a ideia é buscar familiaridade com o texto, o leitor deve assinalar aqueles elementos que, à primeira vista, lhe geram dúvidas. Severino recomenda que sejam buscados dados a respeito do autor, com o cuidado para que os comentaristas (as pessoas que escreveram esses textos sobre o autor) não “contaminem” a perspectiva individual que o leitor será do texto. Mas, eu indiquei que você faça isso antes mesmo de dar início aos passos de Severino, láá no início. Ainda na etapa de análise textual, o leitor deve assinalar termos e conceitos que desconheça, mas que pareçam importantes para que aquele texto seja compreendido. Deve anotar esses termos em uma folha/arquivo separado. O leitor deve anotar, ainda, eventuais fatos históricos citados pelo autor e referências a outros autores que lhe causem dúvida.

Severino recomenda, então, que após a leitura e a identificação dessas dúvidas o leitor busque informação sobre elas, tentando esclarecê-las. É importante fazer isso, de fato, podendo nesse momento usar dicionários de termos de filosofia, por exemplo; mas também é importante não deixar que essa pesquisa se torne tão aprofundada a ponto de desvirtuar o leitor de seu objetivo inicial, que seria compreender o texto selecionado. Então, é preciso um bocado de bom senso para ter em mente que não é preciso esclarecer tudo assim, de saída; muito será resolvido no decorrer da análise daquele texto, da troca de ideias com outras pessoas sobre o texto ou da aula sobre ele, enfim. A minha dica é que você procure saber um pouco, se torne mais confortável com as dúvidas, sem “pirar”.

PASSO 1 E 1/2 – Esquematização

Nesta etapa, a ideia é ler o texto extraindo dele as principais ideias presentes a cada parágrafo, ou a cada dois parágrafos, mais ou menos. Atenção: NÃO se trata de fazer um RESUMO do texto. O trabalho, aqui, é de apreensão das ideias do autor de uma maneira sistematizada, e vou explicar como. Você deve ler cada parágrafo e escrever com as suas próprias palavras as ideias do autor presentes naquele parágrafo. Uma dica um pouco incomum: escreva com as suas próprias palavras e em primeira pessoa. Sim, como se VOCÊ estivesse escrevendo, produzindo aquelas ideias. Isso pode parecer estranho de cara, mas fará com que você “entre na cabeça” do autor, colocando-se no lugar dele. A ideia é que, ao final desta etapa, você tenha as principais ideias extraídas do texto NA ORDEM em que elas aparecem. Isso servirá como preparação para a etapa seguinte.

PASSO 2 – Análise Temática

Nesta etapa, a ideia é que você compreenda a mensagem passada pelo autor no texto, de modo global e sem intervenções. O que significa sem intervenções? Não é hora, ainda, de você expor a sua opinião ou o ponto de vista de outros autores. Não é nem mesmo a hora de expor a opinião desse mesmo autor que esteja presente em outros textos dele, ou sobre outros assuntos. Você terá um outro momento para fazer isso, no seu ensaio filosófico. Também não é hora de tirar conclusões precipitadas. Apenas faça o seguinte: 1) identifique o tema do texto; 2) identifique o problema que o autor se propõe a resolver; 3) siga e exponha o raciocínio seguido pelo autor e 4) exponha a tese a que ele chega. Detalhando um pouco mais:

Tema – Você deverá identificar, em uma linha ou duas, qual o TEMA da unidade de leitura. Não se deixe enganar pelo título, que nem sempre é bom para revelar o tema do texto.

Problema – A seguir, em algumas linhas, você deve expressar qual o problema que o autor se propõe a resolver/argumentar sobre. Grande parte dos textos filosóficos e científicos é motivada por um problema uma questão sobre a qual o autor se propõe a argumentar. Ele vai elaborar argumentos justamente pensando na “defesa” que fará daquela questão, que o provocou, o instigou. Ou irá “atacar” uma ideia com a qual não concorda, desenvolvendo seus próprios argumentos para isso. Pode, ainda, concordar em parte com uma determinada ideia/tese, mas querer colocar alguns pontos nos quais diverge. Então, identifique essa questão, dificuldade, esse problema e anote. Tenha em mente que nem sempre está tão óbvio qual é esse problema. Mas a sua esquematização ajudará a identificá-lo.

Raciocínio/Argumentação – Com base na sua esquematização, agrupe as informações que você extraiu de cada parágrafo em parágrafos/porções de texto contendo as ideias presentes naquele conjunto de frases. Por exemplo, você pode encontrar relação entre o primeiro e o quinto parágrafo; essa é a oportunidade de juntar as pontas, escrevendo em um parágrafo o que é essa ideia. Ao fazer isso, você estará identificando a maneira como o autor responde à questão que ele mesmo se propõe resolver, como raciocina para resolvê-la, ou: como ele argumenta. Isto é, os argumentos, as defesas que ele efetivamente elabora para resolver o impasse, a dificuldade que o motivou.

Tese – Após expor a argumentação do autor, você será capaz de expor a tese dele; em resumo, o que ele argumenta? O que propõe? Então, faz o próximo passo, e escreve a tese, resumidamente.

PASSO 3 – Análise interpretativa/Interpretação

É chegada a hora de começar a interpretar as ideias expostas pelo autor no texto lido. Neste momento, o leitor coloca as ideias do autor em diálogo com as ideias de outros autores. Esses autores que falam do autor em questão são, nesse contexto, comentaristas. É um momento que você situa o autor e o texto lido também em relação a outros textos do próprio autor, de modo a buscar localizá-lo numa esfera maior de pensamento daquele autor. Pode verificar como as ideias que ele expõe no texto que você leu se relacionam com ideias em que ele expõe em outros textos dele, por exemplo, ou contrapor essas ideias com as perspectivas de outros autores sobre o que ele escreveu.

Severino destaca que um momento importante desta etapa de interpretação é a formação de uma perspectiva crítica sobre o que foi lido; isto significa, neste caso, procurar julgar a coerência interna do texto e também a sua originalidade, a contribuição que dá ao problema que aborda. Tentar entender até que ponto o autor conseguiu alcançar, de modo lógico, os objetivos que propôs a si mesmo. Severino diz o seguinte: “Pergunta-se até que ponto o raciocínio foi eficaz na demonstração da tese proposta e até que ponto a conclusão a que chegou está realmente fundada numa argumentação sólida e sem falhas, coerente com as suas premissas e com várias etapas percorridas”. Também é o momento de procurar compreender se a argumentação do autor é original e sua contribuição, relevante.

PASSO 4 – Problematização

Esta é uma etapa em que se busca desde problemas textuais possivelmente presentes no texto até possíveis problemas de interpretação. É uma etapa bacana especialmente quando se realiza um trabalho em grupo, pois neste momento pode-se debater essas impressões. Vale ler as palavras de Severino diferenciando esta etapa da fase de identificar o problema, presente na análise temática: “Cumpre observar a distinção a ser feita entre a tarefa de determinação do problema da unidade, segunda etapa da análise temática, e a problematização geral do texto, última etapa da análise de textos científicos. No primeiro caso, o que se pede é o desvelamento da situação de conflito que provocou o autor
para a busca de uma solução. No presente momento, problematização é
tomada em sentido amplo e visa levantar, para a discussão e a reflexão, as
questões explícitas ou implícitas no texto”.

PASSO 6 – Síntese Pessoal

Trata-se talvez da etapa mais aguardada entre estudantes, que durante todo esse processo ficam geralmente bem ansiosos para dizer o que acham do que leram! Bom, esta é de fato a hora de discutir a problemática levantada no texto para, a partir da reflexão a que ele leva, desenvolver o seu próprio ensaio filosófico. A síntese é uma preparação para o ensaio, ainda não é o ensaio em si. Mas, se bem feita, ajuda bastante na hora de elaborá-lo.

É interessante como a metodologia de Severino termina com esta etapa, (chamada de síntese pessoal) que exige que você escreva, exponha a sua perspectiva; isso mostra que a apropriação das ideias presentes em um texto de caráter filosófico também depende do exercício da redação. Ao escrever nós organizamos o nosso pensamento e conseguimos realizar nossas próprias reflexões, assim conseguindo desenvolver a habilidade de pensar filosoficamente.

Severino aponta esta etapa como uma fase de amadurecimento intelectual e de exercício do raciocínio. Nesta etapa, pode escolher um ou mais aspectos do texto lido que mais tenham lhe saltado aos olhos, trabalhando em cima desses aspectos. Você deve também buscar o embasamento conseguido com a leitura dos textos dos comentaristas, principalmente se toda a aventura filosófica, o tema ou o(s) autor(es) forem novidade para você.

Lembre-se que, no caso de um ensaio filosófico ou texto acadêmico, o que vale não é a nossa opinião livre, mas uma perspectiva embasada, bem argumentada – como você terá observado no texto lido, se tiver gostado da maneira como o autor conduziu sua argumentação 😉

Ah, também vale lembrar que um ensaio filosófico geralmente contém as sínteses de vários textos e não somente de um.

Antes de terminar…

Mais umas dicas.

Sossego – Às vezes, é difícil conseguir um lugar sossegado para ler, estudar, escrever. Mas isso se torna ainda mais importante quando nos propomos a ler um texto seguindo etapas dessa metodologia, isto é, procurando extrair mesmo um aprendizado, alcançando uma compreensão dos textos. Então, ler no ônibus, metrô, no meio de um ambiente barulhento pode complicar. Quando o confinamento acabar, a biblioteca é a melhor opção para esse tipo de tarefa.

Tempo – Se você não tem tempo para seguir TODOS esses passos toda vez que se propõe a ler um texto filosófico, indico que siga, pelo menos, os passos 1 e 2. Com esses passos você terá uma excelente visão geral do texto, podendo partir para as etapas seguintes somente se você for se aprofundar naquela leitura. Claro, o ideal é você conseguir avançar o máximo possível, contrastar o texto com outras leituras do mesmo autor, escrever as suas ideias, dialogar com ele etc., mas, de fato, muitas vezes não há tempo para isso e os passos 1 e 2 são suficientes para uma apreensão excelente de um texto filosófico/acadêmico. Só ler sem anotar nada não adianta muito no caso de textos filosóficos.

Espero que este post, apesar de longo, tenha sido útil. Recomendo fortemente a leitura dos materiais a seguir, dos quais as orientações foram retiradas. E agradeço ao meu professor e orientador de doutorado Ralph Ings Bannell por ensinar essa metodologia em suas aulas de filosofia.

Fontes:

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 2013.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Como ler um texto de filosofia. São Paulo: Paulus, 2009.

World WILD Web: é disso que precisamos

Precisamos de uma WWW democrática. Uma rede de conexões reais no espaço virtual.

Esta semana, recebi de diversas pessoas o vídeo que alardeia aquilo que na prática todos temos notado: a nossa navegação na Web é completamente rastreada pelo Facebook. Se você acessou um site e viu algo de que gostou mas não se lembra direito qual foi, esqueceu o nome etc, pode usar o histórico do seu navegador para reencontrá-lo ou… pode usar o histórico do Facebook. Vá em Configurações > Sua atividade no Facebook > Atividade fora do Facebook e verá que está tudo lá.

O Facebook está se tornando a própria World Wide Web, que não é mais tão vasta, ampla ou grande no melhor sentido da coisa e, diga-se de passagem, está cada vez mais chata, comercial e robotizada – no sentido literal. O que temos é um território mapeado, em que um chip com nossos logins (na forma de app do Facebook) funciona como uma espécie de arco íris que leva ao tesouro: nossos dados.

O problema nao está só no Facebook. Até porque ele está acompanhado da Amazon, Google, Apple. E alguns podem dar de ombros e dizer que esse rastreamento das lojas e sites que visitamos, em particular, pode nem ser tão preocupante, apenas irritante.

Mas é fato que, pela nossa sanidade, pela longa vida às artes, à filosofia, à política, ao cinema, às reais trocas de ideias, precisamos de uma internet democrática. Uma World Wild Web, isto é, uma Web “selvagem” no bom sentido, ampla de fato, democrática, capaz de se abrir à vastidão da natureza humana, dos nossos desejos e sonhos, ajudando-nos a criar e a fortalecer nossas reais conexões. Para usar esse termo busco como referência o pesquisador Edwin Hutchins, autor de Cognition in the Wild, este livro aqui. A ideia é a de analisar a cognição humana em seu habitat natural, a natureza, a cultura, as relações sociais, em vez de fazer isso apenas em laboratórios/ambientes controlados – o que poderia levar a uma dimensão bem mais fiel dos nossos processos cognitivos.

Penso enquanto escrevo numa Web que reflita as múltiplas realidades que vivemos, que se conecte melhor com o mundo que habitamos e que construimos todos os dias, em vez de apenas tentar construir esse mundo para nós – fazendo-o puramente devotado à venda, um palco em que se discute basicamente o que vale mais e quanto se quer pagar. Um mercado das pulgas em que as pulgas somos nós (isso é pior ainda do que ser as os cacarecos à venda – ou não…). Sim, eu sei que o mundo “real” também o coloca o capital acima de tudo, mas é exatamente por isso que precisamos mudar a Web (e o mundo) antes que o mundo que a Web tenha para refletir seja exatamente esse mundo chato e vazio como ela!

Um exemplo: para um músico “independente” – uma classificação que considero um tanto falha (por vários motivos) mas que apenas quer dizer no senso comum um artista que faz seu próprio percurso sem esperar as grandes gravadoras/o mainstream etc (o que acho louvável) – usar o YouTube para divulgar seu trabalho tornou-se praticamente impossível. Se tem dúvidas, converse com um deles e confira a odisseia que é ter um canal e conseguir alguns míseros seguidores., mesmo que você tenha uma carreira consolidada, muitos fãs, muitos shows no currículo e muitos álbuns lançados. As redes sociais que usamos são mainstream. Elas criam o seu próprio mainstream. O problema é que elas definem as prioridades e descartam o que não é prioridade para elas. Os “grandes” seguem “grandes”, com muitas aspas, e os “pequenos”… os pequenos que lutem.

Esse é só um exemplo. Se você nunca estranhou o alcance ínfimo de uma determinada publicação sua no FB quando esperava muitos likes, é porque provavelmente só posta gatinhos. O FB adora gatinhos. Aliás, aposto que Zucker fez algo de bom, pelo menos, que foi popularizar os gatos e fazer mais pessoas adotá-los, porque agora parece que todos têm gatos. O FB adora gatos porque as pessoas passam HORAS vendo vídeos de gatos.

Photo by Kim Davies on Unsplash

Voltando à Web democrática: ela era a ideia original de Tim Berners Lee, mas simplesmente não aconteceu. Mas ele não desistiu: Tim tem uma startup chamada Inrupt e está trabalhando por uma nova estrutura de rede, chamada SOLID. A ideia é repensar a maneira como aplicativos armazenam e compartilham dados pessoais. Para isso, em vez de armazenar dados em servidores de uma empresa que se interessa apenas em lucrar a partir deles, os usuários teriam um pequeno servidor exclusivo, localizado no Solid, um servidor grande. O problema dessa história é que ela parece levar ao problema do regresso infinito, isto é, Berners-Lee acabaria por ter os dados de todos armazenados em seu mega servidor com vários mini servidorezinhos; mas ele diz que não, que os dados estariam somente no servidor de cada um. De todo modo, as motivações de Tim me parecem sem dúvida melhores do que as de Zucker e sua turma, que não sabem mais onde colocar seu dinheiro. E continuam querendo faturar mais e mais às custas não apenas da nossa privacidade como do esvaziamento total da graça que a internet um dia teve, quando prometia ser a terra da criatividade que representava uma real alternativa ao caminho até então monótono do broadcasting.

Berners-Lee e o CEO (odeio estas siglas) da empresa dele – que não é ele, mas sim um cara chamado John Bruce – não esperam que o modelo descentralizado que estão tentando materializar desmorone as tech giants num passe de mágica, como bem lembra este artigo aqui da Wired. Até porque Zucker e os amigos não querem largar o osso carnudo dos nossos dados. O que a dupla Berners-Bruce quer é lançar uma alternativa, que possa se popularizar ao menos entre quem está preocupado com tudo isso que estou expondo neste texto e anseie por uma rede mais bacana, mais leve, aberta e criativa. Não sei exatamente como isso vai funcionar, se vai funcionar, mas esse caminho me parece bastante interessante e pretendo acompanhar. Sugiro que façam o mesmo. Até porque o problema não é apenas você gostar de hambúrguer com cheddar, e ficar toda hora aparecendo hambúrguer com cheddar para você nos anúncios na “sua internet”. O problema é que assim você vai viver num mar de hambúrgueres de cheddar com pequenas variações (com ou sem cebola…) em vez de conhecer um mundo que também tem hotdogs, pipocas doces, salsichas alemãs, saladas, pizzas ou seja o que for.

É bom pensar nisso antes que sua pressão arterial saia do controle.

(Imagem principal do post: amirali mirhashemian @ Unsplash)