Um robô para apoiar crianças autistas

O autismo afeta a forma como uma pessoa se comunica, compreende e se relaciona com outras. Pessoas com autismo frequentemente têm dificuldade de usar e entender linguagem não verbal. Com isso em mente, surgiu o projeto DE-ENIGMA, que foca em desenvolver as capacidades de reconhecer e de expressar emoções em crianças com autismo.

(Mais em http://de-enigma.eu/)

O neurocientista António Damásio defende que sentimentos e emoções são diferentes; segundo o pesquisador, as emoções são externas, são aquilo que se lê nas outras pessoas, enquanto os sentimentos são internos. Não há, portanto, consciência sem sentimentos, nem sentimentos sem consciência. E um robô, então, poderia simular emoções, mas nunca teria sentimentos:

 

 

Aprender a programar: cedo demais?

Como aprender o básico da programação pode ajudar crianças a desenvolverem diversas habilidades que vão muito além dos números?

Em setembro, entrevistei o engenheiro de software Felix Hu, um dos criadores do Osmo Coding, para uma matéria que fiz para o Porvir. Felix começou a criar o jogo com um grupo de amigos, quando estava na faculdade. Depois, eles acabaram contratados por uma empresa no Palo Alto. O Osmo Coding consiste em blocos de madeira que são “lidos” pela câmera do iPad. A criança usa esses blocos para “programar”.

São surpreendentes as possibilidades infinitas da programação para o desenvolvimento de habilidades como criatividade, resolução de problemas e capacidade de abstração. Veja como o Osmo Coding funciona no vídeo abaixo. Ainda não podemos adquirir o jogo no Brasil pela internet, mas vamos torcer para que em breve possamos.